Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

Poderá algo domar este desejo insondável?

Poderá algo domar este desejo insondável
De uma mente
Gasta e cansada de hipocrisias
Que contra si atentam?
Desejosa de novos rios
Ávida de desafios
De sorrisos nos lábios e futuros sábios
Será assim tão difícil mudar o mar
E prender as marés?
Quem avança e cala as vozes tristes
E a fúria?
Quem faz abrir o dia
Quem?
Quem quiser que dance
E avance

publicado por raulcordeiro às 21:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

às vezes há tardes

Foto: Raul Cordeiro


Às vezes há tardes que os meus braços
Não conseguem abraçar
E um grito surdo dos jardins onde passo
Há tardes em que levo a chuva no regaço
E grito sem a espada desembainhar
Enrolo-me sossegado no meu encanto
Respondo a mim próprio
Falo para dentro
E fica mais longínqua a aura do meu canto
Precisamos de rosas, espadas e açoites
Para fazer da tarde manhã
Para fazer de hoje amanhã

publicado por raulcordeiro às 21:26
link do post | comentar | favorito
Domingo, 2 de Janeiro de 2011

Medidas dos dias

Foto: Raul Cordeiro


Voltam os poemas ao meu chão
De forma fixa e ladrilhada
Como uma figura geométrica
Que mede os dias
De nunca acabar
É neles que afago o ego
Que olho as estrelas
Que me afago e aconchego
São só palavras, eu sei
Entretenga da alma
Mas são eles os meus dias
Da minha mente
A calma
Os esquemas
Os meus poemas

publicado por raulcordeiro às 17:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010

Feliz Ano Novo 2011


publicado por raulcordeiro às 12:40
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010

The question of the year (to all my friends all over the world)

I don´t know if I answer the question
But how can a year not to be
And back again to be born
On the calendar
Next day
Softly
In his own birthday?
It's a mystery to himself
Succeed himself
Selfish
Artist
Be magic to itself
And born again
The other day

publicado por raulcordeiro às 11:30
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

A pergunta do ano

Não sei se respondo à pergunta
Mas como pode um ano que não foi
Voltar de novo a ser, a nascer
No calendário
De mansinho
No seu próprio aniversário?
É um mistério de si próprio
Suceder-se a si mesmo
Egoísta
Artista
De passes de magia para nascer em si
No outro dia

publicado por raulcordeiro às 14:05
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010

É Natal no meu jardim

Foto: Raul Cordeiro




Não…
Que ninguém se incomode com as pétalas
Que a flor permanece
Assim, hoje...
É Natal no meu jardim
Uma rosa nasce, floresce e morre
Às vezes sossegada no seu cantinho
E mesmo desfolhada
Fica o cheiro
No seu espinho
A rosa é flor assim
É Natal no meu jardim

publicado por raulcordeiro às 09:38
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2010

Supetão

Peguei nele seco ao luar
Em forma crua rectangular
E pu-lo no chão
No meu lugar
De soslaio vi-o bater baixinho
Pálido
Bate e pára
Bate e pára
Pára de supetão
Triste de seco
O meu coração

publicado por raulcordeiro às 21:12
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Dezembro de 2010

Olhares

Esses olhos matam-me
Mas posso garantir
Que mesmo morto não saio daqui
Não tenho para onde ir
Plantarei  aqui os pés
Criarei raízes no espaço que ocupas
Só para te olhar
Ver, vencer
E depois
Morrer

publicado por raulcordeiro às 21:19
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

o meu espelho (letra de música)

Olhei triste para o espelho
Quebrou-se o feitiço no chão
Li o meu nome no chão
E fiquei de boca aberta
Quase dei um tropeção
Olhos feridos de olhar para mim
Fiquei logo iludido
Pus-me logo a imaginar
Ficar cego de olhar para mim
Limpei tudo bem limpinho
Varri vidros pelo chão
Olhei os meus olhos no chão
Fiquei só a meditar
Como se fosse um vidente
Como se de repente assim
Ficassem os meus olhos a olhar para mim
O destino quis quebrar
No chão triste o meu olhar
Num dia perto do fim
Um olhar a olhar para mim
Minha tristeza subiu de tom
Fez-se noite perto de mim
Fiquei com espelho no olhar
De uns olhos a olhar para mim
Fiz-me forte e num repente
Deitei fora uma ilusão
Os meus olhos cruzam-se assim
Tristes com outros
Olhando por mim
Olhei triste para o espelho
Quebrou-se o feitiço no chão
Li o meu nome no chão
E fiquei de boca aberta
Quase dei um tropeção
Olhos feridos de olhar para mim

publicado por raulcordeiro às 13:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Poderá algo domar este de...

. às vezes há tardes

. Medidas dos dias

. Feliz Ano Novo 2011

. The question of the year ...

. A pergunta do ano

. É Natal no meu jardim

. Supetão

. Olhares

. o meu espelho (letra de m...

.arquivos

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub